Dilatação do Períneo





 Ler em Português

Read in English


O Períneo

O períneo, diafragma pélvico, ou soalho pélvico encontra-se na proximidade da uretra, da vagina e do ânus, estando localizado na parte inferior da bacia, entre o osso púbico, o sacro e o cóccix. Apesenta a forma de um diamante e é constituído pelo músculo elevador do ânus, músculos coccígeos, músculo glúteo superficial, músculo obturador interno, esfíncter anal externo e ligamento sacrotuberal
.





O períneo desempenha uma função fundamental na saúde da mulher, uma vez que este conjunto de músculos é especialmente solicitado durante a gravidez e o parto, porque sustentam o útero, a bexiga e o reto.


No momento do parto, o trauma perineal é uma das complicações mais frequentes, bem como o rasgo perineal (espontâneo) ou pela realização de episiotomia (iatrogénico). A percentagem de episiotomias que se pratica atualmente supera em muito o recomendável. Segundo a Organização Mundial de Saúde, não há uma evidência clara e demonstrável de que o uso rotineiro da episiotomia tenha um efeito benéfico sobre a mulher, e que taxas superiores aos 30% não são justificadas. Uma avaliação correta do períneo, o uso adequado de métodos de proteção deste durante o período expulsivo e a sua adequada preparação durante a gravidez, devem considerar-se uma alternativa válida frente à episiotomia.


No entanto, algumas condições não são modificáveis, como a idade materna, a paridade, a duração da expulsão, a anestesia (epidural) durante o parto, a suspeita de perda de bem-estar fetal, o parto instrumental, a apresentação e posição do feto, o peso do recém-nascido, a presença da episiotomia prévia, a presença de estrias, a distocia dos ombros, a etnia, a patologia materna e o peso antes da gravidez.




A dilatação do períneo – preparação adequada para o parto


O períneo pode e deve ser tonificado ao longo da vida e especificamente durante a gravidez, com exercícios de kegel, exercícios de ioga ou pilates, e banhos de assento. A hidratação com óleo de coco, azeite ou óleo de amêndoas doces também é muito importante.
Durante a gravidez, são recomendados os exercícios de kegel e, a partir das 34 semanas, a massagem perineal ou a utilização de aparelho dilatador vaginal.

Exercícios de Kegel

Para fortalecer o períneo devemos esvaziar a bexiga e contrair os músculos pélvicos durante dez segundos, relaxando de seguida por cinco segundos.

O treino consiste em fazer cerca de cem contrações por dia, divididas em sé-ries de 10 repetições cada. A progressão do exercício consiste em aumentar o tempo de cada contração. Assim, cada vez que contrair os músculos do soa-lho pélvico deve contar até 5 e depois relaxar, repetindo esse passo mais 10 a 20 vezes seguidas.

Se há dificuldade em perceber quais são os músculos a contrair, pode inserir um dedo na vagina e tentar apertá-lo ou, quando urinar, interromper o fluxo de urina.

Banhos de assento e banhos de vapor

Esta técnica não deve ser utilizada durante a gravidez.
Para os banhos de vapor ver: http://ginecesmtc.blogspot.com/2017/05/banhos-de-vapor-vaginais_19.html
No banho de assento deve mergulhar a parte genital numa bacia e utilizar infusões de ervas diluídas em água. Para as mais indicadas ver as ervas tradicionais descritas no artigo para os banhos de vapor.

Massagem perineal

A massagem do períneo ajuda à tomada de consciência desta área. Permite a familiarização com a sensação de relaxamento destes músculos, suavizando os tecidos e facilitando a expulsão no parto.
Inicialmente, a aplicação da massagem pode causar algum desconforto, mas este vai desaparecendo gradualmente. Para evitar esse desconforto, deve iniciar a técnica sem forçar os movimentos dando tempo aos tecidos para que se habituem à massagem. Existem muitas mulheres que têm bastante dificuldade de adaptação à massagem, pelo que é necessário a colaboração do companheiro na técnica, favorecendo assim os períodos de intimidade entre eles.

Como fazer?

Após as 34 semanas, pode-se massajar o períneo após um banho ou a aplicação de compressas quentes para relaxar os tecidos.

Após as 36 semanas, pode-se introduzir uma bola de algodão embebida em óleo que ajuda a relaxar e a suavizar os tecidos no interior da vagina (http://www.gentlebirthmethod.com/videos/vaginal-stretch-videos/ - oil preparation).

Para ambas pode-se utilizar óleo de amêndoas doces, azeite, óleo de rosa mosqueta ou óleo de coco.

Deve escolher uma posição confortável e que facilite o acesso à vagina – de cócoras, sentada com as costas reclinadas ou deitada de lado com uma almofada entre as pernas.

Pode utilizar o polegar ou o dedo médio e o indicador; lubrifique os dedos e o períneo antes de começar.

Introduza os dedos 3 a 4 cm na vagina e faça pressão com suavidade no sentido do ânus, mantenha durante alguns momentos; repita 6 vezes. De seguida, faça pressão obliquamente no sentido entre o ânus e a coxa, para ambos os lados.

À medida que se vai sentido mais confortável com o toque, aumente a pressão no estiramento. Deve realizar esta massagem três vezes por semana até ao parto.

Pode ver vídeos no seguinte link: http://www.gentlebirthmethod.com/videos/vaginal-stretch-videos/

Aparelho dilatador vaginal

O EPI-NO é um aparelho alemão usado para exercitar a musculatura do períneo durante a gestação. Este deve ser inserido no canal vaginal, e encher gradualmente até sentir o estiramento dos músculos. Manter cerca de dez minutos e depois remover ainda insuflado. Aos poucos irá notar que o balão se torna maior e que os músculos estão mais elásticos.

A mulher deve inseri-lo na sua rotina cerca de 3 semanas antes da data prevista para parto, (desde que já tenha iniciado um trabalho de preparação prévio, caso contrário já é tarde), podendo desta forma iniciar os exercícios para aumentar a elasticidade dos músculos do pavimento pélvico. O EPI-NO não deve ser abandonado no pós-parto. Depois do bebé nascer, o aparelho pode ajudar a recuperar a força e tónus do pavimento pélvico que foi sobrecarregado pelo peso do bebé durante toda a gestação.

O nosso períneo deve ser trabalhado desde a infância, puberdade. Não devemos ter vergonha de estimular o nosso relacionamento com esta parte de nós, pela nossa saúde sexual, urinária. Caso não tenhamos começado tão cedo, pelo menos que o façamos na gravidez, em que toda esta zona se encontra sobrecarregada. Mesmo que não seja possível um parto vaginal, a recuperação será mais fácil.


Imagens:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Per%C3%ADneo
https://www.tuasaude.com/exercicios-de-kegel-na-gravidez/
http://www.ontarioprenataleducation.ca/labour-progress/


Trabalho escrito e traduzido por Sara Finote, editado por Jorge Ribeiro