Recuperação da Circuncisão (Parte 1)







 Ler em Português

Read in English


Recuperação da Circuncisão (Parte 1)

A circuncisão masculina, um dos mais antigos e comuns procedimentos cirúrgicos no mundo, é a remoção parcial ou total prepúcio do pénis. Pode ser efectuada clinicamente para tratamento ou prevenção de doenças. Também pode ser efectuada por motivos religiosos ou estéticos.
A incidência da circuncisão varia muito de país para país. Existem cerca de 660 milhões de homens circuncisados, 115 milhões deles são americanos, tornando os Estados Unidos o país com mais homens circuncisados. A incidência é mais baixa na Ásia, América Central e do Sul e em muitos países europeus, especialmente os escandinavos.





Em alguns países, culturas e religiões defende-se a circuncisão não terapêutica, outros toleram-na e outros opõem-se à prática.
Mundialmente cerca de um quarto dos homens são circuncisados por razões religiosas, culturais, médicas ou por opção dos pais. As sociedades que praticam a circuncisão rotineiramente dividem-se em dois grupos. O primeiro inclui muçulmanos, judeus e alguns grupos étnicos de África e da América Latina, onde a circuncisão tem o objetivo de uniformizar essa sociedade, a nível religioso ou cultural. O outro grupo inclui sobretudo os países anglo-saxónicos, onde a circuncisão tem uma finalidade preventiva.






A história da circuncisão remonta ao tempo dos antigos egípcios. Existem registos por escrito em papiros encontrados em túmulos. Há também relatos de escritores da antiga Grécia e dos Romanos.

De acordo com um relato encontrado no antigo Livro dos Mortos egípcio, o Rei Sol mutilava-se, pois os deuses Hu e Sai ressurgiam desse sangue, sendo este o provável motivo da origem da circuncisão, constituindo-se o primeiro acto cirúrgico da história.

Hoje em dia a defesa dos direitos humanos tem sido cada vez mais utilizada como argumento pelos que se opõem à prática da circuncisão. Os opositores alegam que a circuncisão de menores viola prerrogativas e que resulta num afrontamento à dignidade humana dos circuncisados. O conceito dos direitos humanos está suficientemente enraizado no pensamento humano e nas leis europeias para restringir o uso da circuncisão.
Os opositores à prática enumeram pelo menos cinco razões pelas quais a circuncisão pode violar os direitos da criança:
- Pode lesar funções sexuais, urinárias ou reprodutivas
- Causa dor
- Pode violar a autonomia da criança circuncisada
- Pode violar opções futuras da criança
- Pode violar o direito à integridade corporal

Apesar da circuncisão apresentar riscos e alterar o normal funcionamento sexual do pénis, defensores da prática consideram que oferece muitos benefícios preventivos.
Estas razões tiveram início, nos países de língua inglesa, durante o século XIX, quando a etiologia das doenças era desconhecida. Nessa altura a circuncisão evoluiu de um ritual religioso ou ritual de puberdade para uma cirurgia de rotina por motivos de saúde.


Indicações, Ponderações e Complicações

É sempre complicado decidir se a criança ou o recém-nascido deve ou não realizar circuncisão. Pois não existem indicações médicas absolutas para a realização de circuncisão por rotina aos recém-nascidos.
Num estudo realizado em 400 crianças com idades entre os 0 e os 16 anos de idade, que avaliou a retractilidade do prepúcio e a necessidade de realização de circuncisão, apenas 11 crianças foram circuncisadas, por prepúcio punctiforme, balanopostites de repetição, existência de anel estenótico subprepucial e balanite xerótica.


Principais razões para realização de circuncisão neonatal:
- Prevenção do cancro peniano e do colo uterino
- Prevenção de infecção urinária
- Prevenção de doenças de transmissão sexual
- Prevenção de ocorrência de fimose
- Diminuição do risco de balanite
- Correcção de dificuldades da micção (dificuldade na orientação do jacto urinário)

A separação incompleta do prepúcio, pode ser responsável pela colonização por microrganismo patogénicos, causadores de balanopostite e infecção urinária. No entanto, a falta de higiene é a causa mais frequente de balanites do que as aderências balano-prepuciais.

Principais indicações para a realização de circuncisão num adulto:
- Fimose e prepúcio redundante
- Parafimose
- Balanopostite recorrente
- Social
- Cultural
- Pessoais
- Religiosas

Principais complicações da circuncisão:
- Hemorragia
- Infecção
- Aderências penianas
- Remoção inadequada de prepúcio
- Fimose secundária
- Edema linfático
- Necrose da glande
- Fístula uretral
- Curvatura peniana
- Estenose do meato
- Complicações anestésicas


Prepúcio: Efeitos na Sexualidade Humana

Para conhecer a função do prepúcio, é necessário conhecer a função do pénis. Normalmente atribui-se ao pénis duas funções. A de urinar e a de procriar. No entanto ele é apenas necessário para a procriação, pois o acto de urinar não requer o pénis.
Para a procriação ocorrer, o pénis que normalmente está flácido tem de ficar erecto. Durante a erecção o pénis cresce cerca de 50%. Enquanto alonga, a dupla camada do prepúcio fornece a pele necessária para a sua expansão completa.

Durante o coito, a superfície mucosa da glande e do prepúcio movem para frente e para trás ao longo das superfícies mucosas dos lábios e da vagina, fornecendo estímulo sexual não traumático tanto ao homem como à mulher. Este contacto fornece a lubrificação natural nas relações sexuais e evita a secura que é responsável por relações sexuais dolorosas e a abrasão dos tecidos que permite a entrada de doenças sexuais tanto de origem viral como bacteriana.


Análise Emocional e Consequências da Circuncisão à luz da Medicina Tradicional Chinesa

Na infância o Po (Alma Corpórea) está mais próximo da Essência. Assim é responsável pelos primeiros processos fisiológicos depois do nascimento.
Durante o primeiro mês o bebé é "todo Alma Corpórea". A Alma Corpórea reside no Pulmão e é responsável pelo toque e pelas sensações da pele. O bebé é nutrido pela Alma Corpórea da mãe através da amamentação e do toque. Isto explica a importância do toque na vida de um bebé. Além de estabelecer um laço entre a mãe e o bebé também nutre fisicamente a Alma Corpórea e consecutivamente os Pulmões.
O cientista do sono McKenna descobriu que uma mãe quando dorme com o seu bebé, ambos partilham ritmos fisiológicos e sincronicidades.
Segundo a reflexologia do pénis, na glande estão as zonas reflexas da Glândulas Pineal, Adrenal e Timo, Próstata, Coração e Pulmões.





A circuncisão trás diversas consequências, entre elas pode vir um comportamento destrutivo/impulsos suicidas, gaguez, impotência, ejaculação precoce.
O Coração e o Pulmão são os dois órgãos que estão mais protegidos na sua residência física, a caixa torácica no Aquecedor Superior que tem as costelas protectoras. Quando o prepúcio está intacto, as zonas reflexas desses Zang estão também protegidas.
A circuncisão total expõe toda a glande. A fisiologia da glande altera-se ficando com uma pele mais espessa, consecutivamente, as zonas reflexas de toda a glande são afectadas.
A circuncisão é uma agressão à pele, numa zona de elevada sensibilidade. Quando é realizada no primeiro mês de vida afecta fortemente a Alma Corpórea do bebé que está bastante activa nessa altura. Quando a Alma Corpórea é afectada através de um evento traumático, pode surgir o comportamento destrutivo ou os impulsos suicidas.
O Coração, que tem relação com a língua e a capacidade da articulação da fala, partilha o mesmo Aquecedor com o Pulmão e o meridiano principal do Coração atravessa o Pulmão. Essa relação pode explicar a gaguez como consequência pós traumática.
O pénis, sendo parte dos órgãos sexuais tem uma relação funcional com o Rim. O Rim controla os orifícios inferiores, onde está incluído o controlo do esperma. A ejaculação precoce é uma disfunção neste mecanismo.
O Yang do Rim está relacionado com as suprarrenais que também têm a sua zona reflexa na glande. Tanto a ejaculação precoce como a impotência têm como possível síndrome o Vazio de Yang do Rim.

Continua no próximo artigo...

Bibliografia

Livros:
 

Bullough, Vern L.; Bullough, Bonnie – Human Sexuality: An Encyclopedia, 1994, pp.119-122
 

Spikes, Nigette M. – Dictionary of Torture, Abbott Press, 2007, pp.21
 

Maciocia, Giovanni – The Psyche in Chinese Medicine, Churchill Livingstone, 2009, pp.51
 

Mantak Chia; W.U. Wei – Sexual Reflexology – The Tao of Love and Sex, Universal Tao Publications, Tailândia, 2002, pp.39


Artigos em publicações periódicas:
 

Gao, Jingjing; Xu, Chuan; Zhang, Jingjing;Liang, Chaozhao; Su, Puyu;
Peng, Zhen; Shi, Kai; Tang, Dongdong; Gao, Pan; Lu, Zhaoxiang; Liu, Jishuang; Xia, Lei; Yang, Jiajia; Hao, Zongyao; Zhou, Jun; Zhang, Xiansheng, Effects of Adult Male Circumcision on Premature Ejaculation: Results from a Prospective Study in China, BioMed Research International, 2015, pp.1

 

Gun, Saul, História da Circuncisão, Rev. Fac. Ciências Méd. Sorocaba, v.4, n.1-2, p.92, 2002
 

Jacobs, Allan J.; Arora, Kavita Shah, Ritual Male Infant Circumcision and Human Rights, The American Journal of Bioethics, 2015 (15:2, 30-39, DOI: 10.1080/15265161.2014.990162), pp.30
 

Shahid, Sukhbir Kaur, Phimosis in Children, International Scholarly Research Network, Volume 2012 (doi:10.5402/2012/707329), pp.1-2
 

Silva, Carlos Brás; Alves, Mário Cerqueira; Ribeiro, Jorge Cabral; dos Santos, Américo Ribeiro, Fimose e Circuncisão, Acta Urológica, Braga, 2006 (23; 2: 21-26) pp.1-6

Sorrells, Morris L.; Snyder, James L.; Reiss, Mark D.; Eden, Christopher; Milos, Marilyn F.; Wilcox, Norma; Van Howe, Robert S., Fine-touch pressure thresholds in the adult penis, BJU International, 2007, pp.864, 865, 867

Artigos de jornais e revistas:
World Health Organization; Department of Reproductive Health and Research and Joint United Nations Programme on HIV/AIDS (UNAIDS), Male circumcision: global trends and determinants of prevalence, safety and acceptability, 2007, pp.9, 12

Internet:
 

http://www.who.int/reproductivehealth/publications/rtis/9789241596169/en/
http://www.circinfo.net/rates_of_circumcision.html
http://www.circinfo.net/anesthesia.html
http://www.cirp.org/library/psych/goldman1/
http://www.cirp.org/library/anatomy/ohara/
http://www.circumcision.org/brain.htm
http://www.circumcision.org/psych.htm
http://www.danwei.org/newspapers/summer_circumcision.php
http://mg.co.za/article/2012-09-07-00-circumcision-issue-cuts-two-ways


Imagens:

Artigo escrito, traduzido e editado por Jorge Ribeiro, baseado no trabalho do mesmo para a cadeira de Ginecologia e Andrologia do 5º ano da ESMTC.