O preservativo ao longo da história

Hoje em dia o preservativo masculino tem a forma de uma bolsa (luva) de espessura fina, feita de elástico resistente.
Ele vem acondicionado numa embalagem de formato quadrangular ou rectangular, hermeticamente fechado, espalmado e enrolado, para uso único. 
Este é colocado no pénis erecto antes de qualquer contacto genital.
Funciona como uma barreira física que impede os espermatozóides de entrarem na vagina evitando assim uma gravidez indesejada e reduzindo também o risco de transmissão de diversas infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).
É feito de látex ou poliuretano e geralmente já vem lubrificado.
Existem muitos tipos de preservativos, com várias cores, tamanhos, sabores e alguns com relevo.

Homens e mulheres sempre demonstraram grande preocupação em evitar uma gravidez indesejada ou o contágio de doenças sexualmente transmissíveis, e por isso vêm procurando, há muito tempo, descobrir um método que lhes permita a realização do chamado sexo seguro, cuja prática consiga afastar definitivamente essas duas possibilidades.
Durante séculos, foram feitas experiências nesse sentido, mas muitas mostraram-se dolorosas e absolutamente ineficazes.


Egipto
1850 AC - 1000 AC

O papiro de Petri, a primeira prescrição médica anti-gravidez, recomendou o uso de um pedaço de pano impregnado com uma pasta feita de excremento de crocodilo por possuírem pH alcalino, tal como os espermicidas modernos, e também uma mistura com mel e bicarbonato de sódio.


Ásia
Século X

A ideia dos egípcios foi aproveitada para fins sexuais, mas sob a forma de um invólucro de papel de seda untado com óleo.
Os chineses usavam um preservativo de papel de seda untado com óleos e os japoneses costumavam usar uma carapaça feita de casco de tartaruga, chifre de animais ou de couro fino.

Antes do século XV, há registo do uso de um dispositivo que cobre apenas a cabeça do pénis. Na China, o preservativo da glande pode ter sido feito de papel de seda oleada, ou de intestino de carneiro. 




Grécia Antiga

Entre os gregos, relatos mitológicos e históricos falam do uso de bexigas-natatórias de peixes e a bexiga das cabras como forma de método contraceptivo.



Europa
100-200 AC

Os primeiros indícios, do uso do preservativo na Europa vem de cenas de pinturas rupestres em Combarelles, França.

Declínio do Império Romano no século X

O preservativo caiu em desuso na Europa após o declínio do Império Romano no século X, se foram usados ​​nesta altura, o conhecimento deles parece ter sido perdido.

Idade Média - séc. XV/XVI

Entre a Idade Média e a Idade Moderna, existem alguns relatórios médicos que recomendavam a utilização de envoltórios penianos feitos de linho. Além do tecido, recomendava-se a aplicação de substâncias medicinais como chás de erva, absinto, urina e partes sexuais de animais, como forma de prevenção da sífilis, uma doença que aparece nesse tempo com os nomes de “mal francês” ou “mal napolitano”.

Durante o século XVI o cirurgião Gabrielle Fallopio confeccionou o que descreveu como uma "bainha de tecido leve, sob medida, para protecção das doenças venéreas". Tratava-se de um forro de linho do tamanho do pénis embebido em ervas.
Shakespeare denominou-o "luva de Vénus".

No final do século XVI o preservativo de linho passou a ser embebido em soluções químicas e depois seco. Estas soluções foram as precursoras dos espermicidas modernos.

Nos escritos de muçulmanos e judeus durante a Idade Média, as referências a tentativas de contracepção para homem, incluem cobrir o pénis em alcatrão ou mergulha-lo em sumo de cebola. 

Séculos XVII e XVIII

Em França, o preservativo feito de veludo e seda, apareceu como método contraceptivo para evitar os infortúnios financeiros e sociais causados com os polémicos filhos bastardos.
Os preservativos eram vendidos de forma clandestina.

Um médico inglês da corte de Carlos II, rei da Inglaterra a partir de 1649, criou um protector feito a partir dos intestinos de animais (carneiro, ovelha, bezerro ou cabra) que funcionava como uma segunda pele, sendo uma de suas extremidades fechada com um laço. Este dispositivo era denominado Condom (camisa-de-vénus/preservativo) a sua aceitação foi grande, a tal ponto que originou a suposição de que o seu nome possa ter sido criado para homenagear o Dr. Condom, o médico real e criador do preservativo.


No século XVIII, a Revolução Francesa serviu para que os preservativos fossem fabricados e comercializados em maior escala. Este tipo de preservativo foi descrito na época como "uma armadura contra o prazer e uma teia de aranha contra a infecção".
Apesar de nem sempre funcionar, o preservativo teve largo uso no século XVIII.
Na corte de Versalhes, nos arredores de Paris, os preservativos não eram feitos de tripas de animais, mas de veludo ou seda. Enquanto isso, nas ruas parisienses, os preservativos eram vendidas clandestinamente, por motivos religiosos.
Os preservativos no século XVIII estavam disponíveis numa variedade de qualidades e tamanhos, feitas de linho ou tratadas com produtos químicos, ou "skin" (bexiga ou tripas amolecidas pelo tratamento com enxofre e soda cáustica). Eram vendidos em bares, barbearias, farmácias, mercados ao ar livre, em toda a Europa e Rússia.

A primeira inspecção de qualidade e registro do preservativo é encontrado nas memórias de Giacomo Casanova (1774).

Em 1702, o médico inglês, John Marten, cria um invólucro de linho impregnado de um produto cuja fórmula nunca revelou, com o qual se evitava o contágio venéreo e se impedia o acesso do esperma ao óvulo feminino.
Mais tarde o médico Marten ficou com peso de consciência e ao que parece queimou toda a informação e evidência que tinha, “para evitar o crescimento de uma vida dissipada entre os jovens”.


1713-1714

Um episódio que contribuiu para a difusão do preservativo foi uma reunião de que líderes das principais nações europeias na cidade de Utrecht (1713-1714). Este evento chamou para o local as donzelas, mas estas traziam consigo as doenças venéreas. Um criativo artesão local costurou na forma de uma bainha anatómica uma tripa de carneiro e obteve, assim, um preservativo.

1800


O fabrico de preservativos foi revolucionado pela descoberta de vulcanização da borracha por Charles Goodyear.
Com esta descoberta foi possível produzir preservativos de borracha, de forma rápida e barata. Mas como eles ainda eram grossos e caros, eram lavados e reutilizados várias vezes.

A principal vantagem do preservativo de borracha era a sua reutilização, tornando-os uma opção mais económica a longo prazo. Os preservativos de pele eram inicialmente mais baratos e ofereciam melhor sensibilidade. Por esta razão, os preservativos de pele foram mais populares do que a variedade de borracha.

Por muitas décadas, os preservativos de borracha foram fabricados por envolvimento de tiras de borracha crua em torno do pénis em forma de moldes e em seguida, mergulhando os moldes numa solução química para curar a borracha. Os preservativos mais antigos de borracha cobriam somente a glande do pénis. Um médico mediu a glande de vários homens com o pénis em erecção, para estipular o tamanho mais correto, no entanto, os preservativos glande tendiam a cair durante o uso.

No final do século 19 na Inglaterra, os preservativos eram conhecidos como "uma coisinha para o fim-de-semana".

1900

Até a década de 1920, a maioria dos preservativos que eram fabricados envelheciam rapidamente e a qualidade era duvidosa.
Em 1919, Frederick Killian inicia a produção de preservativos em látex de borracha natural.
Os preservativos de látex tinham a vantagem de envelhecer menos, serem mais finos e sem cheiro. Este novo tipo de preservativos teve uma grande expansão das vendas. 



O triunfo do preservativo só aconteceu na década seguinte, quando a acção do vírus HIV obrigou milhares de pessoas a adoptarem um novo processo de educação sexual.
Nesse meio tempo, várias teorias fantasiosas visavam dispensar o uso do preservativo, visto por alguns como um limitador da qualidade do ato sexual.



Em 1957, o primeiro preservativo lubrificado foi lançado no Reino Unido pela Durex.
Recentemente, a tecnologia melhorou e permitiu a redução de espessura do preservativo. Agora é possivel encontrar preservativos com formas, larguras e comprimentos diferentes.



A partir de 1960  

A revolução sexual dos anos 60 resultou num declínio no uso do preservativo, com os jovens praticando mais o sexo livre, sem recorrer ao uso do preservativo e nas décadas seguintes, o preservativo foi caindo em desuso, principalmente após a descoberta da pílula anticoncepcional.



O aparecimento da SIDA, na década 1980, mudou para sempre a mentalidade mundial e o preservativo passou a ser muito usado como uma arma importante na prevenção do HIV.






Em 1994, o primeiro preservativo de poliuretano no mundo para os homens foi lançado nos EUA. A década de 1990 também viu a introdução de preservativos coloridos e com sabor.
Hoje sabe-se que o preservativo é o único método de prevenção da gravidez indesejada e das doenças sexualmente transmissíveis.



Hoje há preservativos de tamanhos, espessuras, aromas e cores diferentes. E estudos apontam que este modo de contracepção, para além de evitar gravidezes indesejadas e de impedir o contágio das DST, este não limita a excitação nem o prazer durante o acto sexual.




Artigo por Sara Rebelo baseado no trabalho de Célia Guerreiro para a cadeira de Ginecologia (ESMTC)