Miomas

Miomas uterinos são tumores benignos que crescem no tecido do útero. Podem variar no tamanho, de muito pequenos até ao tamanho de um melão, fazendo com que o útero expanda até ao tamanho de uma gravidez de seis ou sete meses. Pode existir um mioma dominante ou vários miomas pequenos e a sua designação varia de acordo com a sua localização:
-       Subseroso: desenvolvem-se na parede exterior do útero;
-       Intramural: desenvolvem-se dentro da parede do útero, é o tipo mais comum;
-       Submucoso: desenvolvem-se do endométrio para a parede interior do útero e tendem a causar fortes hemorragias menstruais. Apresentam um pedículo e são chamados de pedunculados.



Afectam normalmente, mulheres acima dos 30 anos de idade, sendo raros em mulheres com menos de 20 e após a menopausa. A sua causa é desconhecida, mas o seu crescimento aparenta ser dependente de estrogénio.

Os miomas pequenos são frequentemente assintomáticos. Quando atingem certo tamanho tornam-se palpáveis e, se grandes, a massa pode ser visível e saliente no abdómen. A hemorragia uterina excessiva é a consequência mais comum de miomas, sendo causada pela expansão do endométrio pela pressão do mioma. Os miomas geralmente não causam a dor; entretanto se existir torção do seu pedículo eles podem causar dismenorreia. Miomas grandes podem pressionar a bexiga e causar sintomas urinários, tais como irritabilidade vesical, aumento da frequência urinária ou disúria.

Manifestações clínicas mais comuns em miomas grandes:
-       Menstruações fortes e prolongadas com coagulos;
-       Dor na parte detrás das pernas;
-       Dor pélvica ou pressão;
-       Dor nas relações sexuais;
-       Pressão na bexiga com urgência em urinar;
-       Pressão no intestino com obstipação;



Tratamento na medicina convencional


Tabela - Comparação entre as várias opções de tratamento dos miomas uterinos

Tratamento
Descrição
Vantagens
Desvantagens
Preservação da fertilidade?
GnRH
Tratamento pré-cirúrgico para diminuir o tamanho da lesão antes da histerectomia ou miomectomia.
Diminui as hemorragias e o tempo de recuperação no pós-operatório.
A longo prazo tem custos elevados, sintomas na menopausa, perda da massa óssea;
Depende dos procedimentos subsequentes.
Histerectomia
Remoção cirúrgica do útero (via transabdominal, transvaginal ou laparoscópica).
Tratamento definitivo para mulheres que não desejam engravidar;
A técnica transvaginal está associada a menor hemorragia e dor;
Riscos cirúrgicos.
Não
Miomectomia
Remoção cirúrgica ou endoscópica dos miomas.
Resolve os sintomas e preserva a fertilidade; morbilidade perioperatória semelhante à histerectomia.
Taxa de recorrência dos miomas de 25%-30% aos 5 anos; o sucesso do procedimento é determinado pelo número e tamanho dos miomas.
Sim
Embolização da artéria uterina
Procedimento de intervenção radiológica que oclui as artérias uterinas
Minimamente invasivo; curta estadia hospitalar.
Recorrência sintomatológica em 17% dos casos aos 30 meses;
Sim (experiência limitada)



Do ponto de vista da MTC, os miomas são um tipo de massas abdominais.
As massas podem ser fixas, Jiu Ji, e devem-se a Estase de Sangue.
As massas sem localização fixa, que aparecem e desaparecem, Ju, devem-se a estagnação de Qi.


Etiologia

Frio externo - durante a puberdade, após o parto e durante o período menstrual, o Útero está muito vunerável à invasão de Frio; o Frio externo gera Frio interno que leva à estagnação de Sangue que, por sua vez, pode levar à formação de massas.


Stress emocional - o stress emocional leva frequentemente à estagnação de Qi; com o prolongar dessa situação, a estagnação de Qi origina uma estagnação de Sangue.

Dieta irregular - alimentação irregular ou o excessivo consumo de alimentos frios, crus e gorduras e lacticínios levam à formação de fleuma, que pode originar massas abdominais.

Exercício físico excessivo ou trabalho excessivo – pode enfraquecer o Baço, o Fígado e o Rim e afectar o Vaso Concepção e o Chong Mai.


Patologia

Quanto à patologia, as massas abdominais são sempre caracterizadas por estase de Qi, como por estase de Sangue, sendo as por estase de Qi massas não substanciais e as por estase de Sangue massas abdominais substanciais. Além da estagnação, pode também existir Mucosidade. Entretanto, em todos os casos de massas abdominais existe sempre uma deficiência adjacente de Qi. O Qi em deficiência falha em transportar e transformar, levando á estagnação de Qi e Sangue, o que permite que se formem massas.


As massas por estagnação de Qi vêm e vão. São móveis á palpação e mudam de local. Se existe dor, esta não tem local fixo e está acompanhada de uma sensação pronunciada de distensão. As massas por estase de Sangue são fixas em localização, imóveis á palpação e um tanto duras. As massas por Mucosidade são moles á palpação e têm uma localização fixa. Geralmente são indolores.


Padrões presentes e tratamento dietético

Estase de Sangue por estagnação de Qi

Manifestações: mioma duro à palpação, períodos menstruais dolorosos com sangue escuro e coágulos, distensão abdominal, períodos irregulares, TPM, irritabilidade.
Principios Terapêuticos – mover o Qi, revigorar e quebrar Sangue, suavizar as massas.
Dieta: germen de trigo, hortelã, hortelã-pimenta, aipo, rábano, germinados, nabo, agrião, açafrão, salsa, coentros.

Estase de Sangue por Frio

Manifestações: miomas duros, períodos menstruais dolorosos com dor tipo facada, que melhora com botija de água quente, sangue menstrual vermelho vivo mas com coágulos pequenos e escuros, sensação de frio, ciclo longo.
PT –  revigorar e quebrar Sangue, eliminar Frio do Útero, suavizar as massas.
Dieta: gengibre fresco, canela, tomilho, oregãos, alho, cebola, alho francês, pimenta, malagueta, aipo, germinados, agrião, açafrão, salsa, coentros.

Estase de Sangue com Fleuma

Manifestações: normalmente apenas 1 mioma relativamente mole, sensação de peso no abdomén, corrimento vaginal, obesidade, períodos menstruais dolorosos.
PT –  revigorar e quebrar Sangue, eliminar Fleuma, mover Qi.
Dieta: germen de trigo, hortelã, hortelã-pimenta, aipo, rábano, germinados, nabo, agrião, açafrão, salsa, coentros.

Estase de Sangue com Deficiência de Qi e Sangue

Manifestações: vários miomas pequenos e crónicos, duros, períodos menstruais dolorosos e abundantes, cansaço, visão turva, tonturas.
PT –  revigorar e quebrar Sangue, tonificar Qi e Sangue.
Dieta: germen de trigo, beterraba, frutos vermelhos,abóbora, cenoura, hortelã, hortelã-pimenta, aipo, rábano, germinados, nabo, agrião, açafrão, salsa, coentros.

Estase de Sangue com Deficiência de Yang do Rim

Manifestações: vários miomas crónicos e duros, períodos menstruais abundantes, cansaço, dor nas costas, necessidade de urinar frequentemente, sensação de frio, membros frios, tonturas, zumbidos.
PT –  revigorar e quebrar Sangue, tonificar Yang, tonificar o Rim.
Dieta: alho, cebola, gengibre, tomilho, oregãos, salsa, coentros, canela.


O tratamento deve incluir (De acordo com  o livro Corpo de Mulher, Sabedoria de Mulher de Christiane Northrup)

- dieta base: dieta de produtos integrais equilibrada durante pelo menos 3 meses, muito rica em vegetais e vegetais crucíferos com o objectivo de diminuir os estrogénios em circulação.
- ginástica tipo aeróbica (20 min, 3 vezes por semana)
- tratamento da energia bloqueada com massagem, acupunctura.
- cataplasmas de óleo de rícino
Embeber um pedaço de lã ou flanela no óleo, dobrar em quatro camadas; colocar sobre a pele na parte inferior do abdomén e coberta por um pedaço de plástico; a seguir aplica-se calor por cima.
- criar um diário: escrever tudo o que gostaria de ter criado.



Artigo escrito por Sara Finote