Circuncisão


O que é?


Circuncisão, exérese do prepúcio, peritomia ou postectomia é numa operação cirúrgica que consiste na remoção do prepúcio (prega cutânea que recobre a glande do pénis).
O prepúcio é a camada de pele retrátil que cobre e protege a glande,  ou  cabeça do pênis. Apresenta duas faces, a externa composta por pele comum, e a interna, virada para a glande, que é a mucosa responsável por manter o pênis hidratado e protegido contra agressões do meio externo.
Regra geral sua remoção faz-se por via cirúrgica, para tratamento de fimoses ou malformações, como o prepúcio imperfurado congénito, ou ainda por questões religiosas e culturais.


História

A circuncisão é uma prática antiga, existindo registos da sua prática que remontam  ao século V A.C., no Egipto Antigo,  sendo ainda hoje praticada  em muitas culturas e regiões, como ritual de iniciação ou de passagem à idade adulta, como por exemplo, no Judaísmo, em que todos os recém-nascidos devem ser circuncidados nos primeiros dias de vida.

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 30% dos homens no mundo são circuncidados (algo em torno de 665 milhões de homens),  a maioria por motivos religiosos, uma vez que 68% deles são muçulmanos.

A circuncisão começou como ritual social entre pequenas tribos do noroeste  Africano e  Península Arábica, e mais tarde tornou-se uma marca de iniciação para duas religiões principais o Judaísmo e Islamismo Da África subsaariana até o Oriente Próximo, incluindo a Pérsia, passando pelo Magreb, a Líbia e o Egipto, a Palestina, a Síria, a Arábia e o Iémen. Judeus e muçulmanos do mundo inteiro são circuncidados, independentemente de suas convicções religiosas.

Não existe no entanto evidencia de que o ritual da circuncisão tenha começado como medida de higiene. Muitas das culturas primitivas levavam a cabo varias formas de mutilação em diferentes partes do corpo incluindo os genitais, mas  a origem e racionalidade destas práticas permanecem e são alvo de controvérsia em termos teóricos, assim como as condições ambientais existentes  quando estas práticas surgiram.

Muitos dos conflitos teóricos foram avançados como que  para justificar o aumento de operações  ritualísticas em ambos os sexos. Apresentamos alguns :

  • Como sacrifício conciliador ou sinal de submissão à divindade,
  • Como oferenda ao Deus ou Deusa da fertilidade para se conseguir conceber,
  • Como marca de identificação tribal,
  • Como ritual de passagem da infância à idade adulta,
  • Como ritual de fertilidade  com o objetivo  de dar ao homem o poder de procriação fazendo-os sangrar dos genitais como as mulheres,
  • Como  tentativa de  enfatizar as características  femininas ou masculinas nas raparigas e nos rapazes removendo partes dos seus genitais  (clitóris e prepúcio prospectivamente)  pois lembram os genitais do sexo oposto,
  • Como forma de humilhar e marcar a derrota entre inimigos ou escravos. 
Existem alusões à circuncisão  na Bíblia que relata que na época de Abraão a circuncisão já era conhecida e praticada às margens do rio Jordão e na Samaria.

“E a aliança que eu faço com vocês e com seus futuros descendentes, e que vocês devem observar, é a seguinte: circuncidem todos os homens. Circuncidem a carne do prepúcio. Este será o sinal da aliança entre mim e vocês. Quando completarem oito dias, todos os meninos de cada geração serão circuncidados; também os escravos nascidos em casa ou comprados de estrangeiros, que não sejam da raça de vocês” (Génesis 17:10-11).

Só no final do seculo XIX , quando a circuncisão massiva foi introduzida por razões de “higiene”,  a classe medica achou legitimo dar  continuidade ao novo procedimento  explicando a origem da circuncisão em termos de higiene


Funções do Prepúcio

1.   Aumenta o prazer sexual (em relação a indivíduos circuncidados).
2.   Previne dispareunia (Relações sexuais dolorosas).
3.   Estimula o órgão genital feminino.
4.   Armazena e liberta feromonas.
5.   Armazena, liberta e ajuda a distribuir lubrificantes naturais (fluido pré-ejaculatório)
6.   Protege a glande contra lesões
7.   Protege os nervos da glande, mantendo a sua função erótica.
8. Cria lisossomas para uma ação antibacteriana à volta da glande.
Função vascular: sendo uma área rica em vasos, protege a glande contra o frio
10.É importante na formação do pénis e uretra. Se não houver prepúcio, a abertura da uretra pode não se encontrar no devido lugar mas algures na parte inferior da glande.


Ponto de vista médico

De acordo com o prof  Professor Blade Norris da  Universidade de Sydney considerado o guru da fisio-quimica , “ Os homens não circuncisados têm  90% mais  chances de ter problemas no prepúcio comparativamente aos que tiveram a sorte de ser circuncisados” Acrescenta ainda que” os homens não circuncisados têm  65 % mais probabilidade de apanharem papeira, varicela, sofrerem de insuficiência renal crónica, angina e bursite”.
Embora vindas de uma autoridade na matéria estas afirmações parecem-nos um pouco excessivas, no entanto deixamos à consideração do leitor.

A circuncisão masculina é o tipo mais praticado desde o século XIX, e em alguns países, como os Estados Unidos, é considerada uma operação muito vulgar, pois diz-se que a remoção da pele favorece a masturbação e a prática de atos sexuais. Há muitos anos atrás, a circuncisão era mais comum, mas atualmente, tirando os casos religiosos, a prática regular de hábitos de higiene  substituiu os benefícios da cirurgia.


Panorama Mundial atual relativamente à circuncisão segundo a OMS:

Benefícios da circuncisão

Quando feita na infância apresenta alguns benefícios, entre eles :
A.   Redução das infeções urinárias,
B.   A infeção urinária em homens é incomum, porém, ocorre mais frequentemente em crianças não circuncidadas devido ao favorecimento do crescimento de bactérias nas secreções armazenadas no prepúcio - corresponde a um risco em geral de 1% de não circuncisados,
C.    Redução das infeções do pênis,
D.   A balanite (infeção da glande) e a postite (infeção do prepúcio) também ocorrem menos frequentemente em crianças circuncidadas,
E.   Redução do cancro peniano e do cancro do colo do útero na mulher,
F.    Homens circuncidados apresentam menor risco de terem cancro peniano, todavia, é bom destacar que esta doença também é rara em não circuncidados (cerca de 1 caso a cada 100.000 pessoas). Este beneficio só existe quando a circuncisão é feita ainda na infância. Homens circuncidados após a adolescência não apresentam taxas menores de câncer peniano,
G.   Além da redução do cancro peniano, parceiras de homens circuncidados, que não apresentam histórico de promiscuidade, apresentam menor taxa de cancro do colo do útero. A explicação parece estar no fato de homens não circuncidados terem maior risco de contaminação e transmissão do HPV,
H.    Redução de DST e HIV - os fatores de comportamento tem mais peso do que a circuncisão ,
I.     Além do HPV, homens circuncidados apresentam uma menor taxa de contaminação por outras DST, nomeadamente tricomoníase.

Curiosamente, a circuncisão não apresenta evidencias de proteção contra a gonorreia.

Circuncisão pelo Mundo (dados de 2008)

Riscos da circuncisão


A circuncisão é um procedimento cirúrgico e, como tal, possui riscos. Todavia, a cirurgia é rápida e simples (dura cerca de 10 minutos) e apresenta taxas de complicações cirúrgicas abaixo de 0,5%. As complicações mais comuns são sangramentos, infeções, hematomas, inadvertido dano da glande, retirar-se pouca ou muita porção do prepúcio   e insatisfação com o resultado estético.


A circuncisão, como qualquer outra cirurgia, deve ser feita sob anestesia, evitando que a criança ou mesmo o adulto sintam dor durante o procedimento. Contudo e segundo Caroline de Costa MB BS FRANZCOG & Michele Moore MD FAAFP,  era rotineiro até 1980 circuncisar bebes sem anestesia.


Satisfação sexual após circuncisão

A mucosa do prepúcio é muito inervada e contribui para o prazer no ato sexual. Um dos argumentos contra a circuncisão sem indicação médica é o risco de redução da sensibilidade do pénis.
Todavia, apesar da lógica por trás desta teoria, o fato é que, na prática, homens circuncidados não apresentam uma satisfação menor com suas vidas sexuais.
Mesmo em homens que se submeteram à circuncisão somente quando adultos e com vida sexual já ativa, não há provas contundentes de que haja mudanças da qualidade da vida sexual dos mesmos. Existem relatos pessoais de diminuição da sensibilidade, porém, existem também trabalhos científicos com grandes grupos que mostram ausência de alterações na qualidade do sexo. É um tema polêmico.

A circuncisão feita em crianças, sem indicação médica formal, é atualmente um procedimento que causa controvérsias. Existem grupos contra a circuncisão que apresentam os seguintes argumentos, entre outros:
- A circuncisão causa dor nos recém-nascidos trazendo stresse desnecessário ao bebé.
- O trauma da circuncisão realizada quando bebé é carregado pelo resto da vida, mesmo que o indivíduo não se dê conta disso.
- A circuncisão vai de encontro aos direitos humanos pois mutila um ser incapaz de tomar decisões.
A posição da maioria dos Colégios de Pediatria é de não indicar a circuncisão sem motivo médico claro; entretanto, do mesmo modo, as mesma não contra-indicam sua realização por motivos pessoais ou religiosos.

Circuncisão e MTC

Há poucos estudos sobre a circuncisão na China, no entanto foi possível apurar que o numero de homens circuncisados é menor na China comparativamente a outros  países asiáticos tais como a Coreia do Sul ou Japão, embora  nos últimos anos esta prática esteja a aumentar como forma de combate ao HIV, segundo um estudo de Yang C, Liu X, and Wei GH., Foreskin development in 10421 Chinese boys aged 0-18 years. World J Pediatr. 2009 Nov.

Os meninos são circuncisados entre os 3 e os 10 anos para problemas de Fimose ou em conjunto com outros problemas urológicos como Hipospadias.
Os homens orientais têm tendencialmente o prepúcio mais curto, o que diminui a necessidade  de se ser circuncisado. Visto ser pouco utilizada na China, existem poucos estudos sobre os efeitos da circuncisão e a Medicina Tradicional Chinesa.
A circuncisão em si, não provoca alterações significativas no organismo quando é bem feita, além das alterações físicas possíveis que já foram referidas anteriormente. O mais preocupante serão casos de infeções pós operatórias ou cirurgias mal realizadas, que podem trazer graves problemas, Especialmente em países cuja pratica ainda é feita em condições precárias e sem os devidos requisitos de higiene, como por exemplo alguns países Africanos.

Relativamente à Reflexologia Sexual Taoista, parte do Taoismo que lida com a Sexualidade e que relaciona as áreas dos genitais com os órgãos do corpo, não existe referencia ao prepúcio em especial, no entanto a glande é uma área reflexa correspondente ao  Pulmão, Coração, Próstata, e glândulas, pituitária, adrenal e pineal.

Pode então especular-se que, em homens circuncisados, a excisão do prepúcio expões estas áreas e faz com que elas sejam estimuladas com maior frequência provocando um maior desgaste dos órgãos  a que estão relacionados. Por outro lado como o prepúcio serve de proteção à glande e aos órgãos representados nestas áreas, quando  retirado, a glande  também perde a proteção  contra fatores externos, tais como Vento, Frio, Calor e Humidade.

Relativamente ao desejo sexual e à fertilidade,  não existem estudos verifiquem qualquer elo de ligação. Pode no entanto ocorrer dor na ereção no pós operatório em adultos que pode demorar até 6 semanas e uma diferença na sensação da relação sexual após a operação.


Em resumo, a circuncisão é um procedimento que existe desde a antiguidade e é usado com intuito religioso ou como forma de prevenir doenças. A sua utilidade nos tempos modernos é debatível pois não tem muito impacto em termos de prevenção de doenças. Existe e existirá sempre o aspecto religioso que faz com que esta prática ainda se mantenha ativa nos nossos dias. Seja qual for o motivo que leve à sua aplicação, este tipo de prática apresenta um risco menor quando comparado à circuncisão feminina ( mutilação genital feminina)


Baseado no Trabalho de Pedro Brandão, escrito por Paula Madeira

http://www.mdsaude.com/2011/05/circuncisao.html
A guide to the penis for men and women - Caroline de Costa MB BS FRANZCOG & Michele Moore MD FAAFP