Suplementos desportivos e consequências na líbido

Desde os primeiros tempos do desporto que atletas, treinadores e médicos, procuram incessantemente substâncias milagrosas que melhorem a capacidade física dos desportistas.

A história está repleta de casos em que os suplementos eram usados, por exemplo, os povos europeus com trabalhadores de minas de prata americanas, davam folhas de coca aos índios para estes mascarem, com o objectivo de suprir a sensação de fome.
Estima-se que o uso de esteróides androgénios anabólicos (EAA) foi utilizado pelos atletas no início da década de 50, aumentando significativamente nos jogos olímpicos de 1964, onde se estima que os EAAs estavam a ser usados por 88% dos atletas de elite dos levantamentos básicos no caso dos atletas dos desportos de força muscular. Já os suplementos alimentares surgiram há quatro décadas, e são destinados às pessoas que não conseguiam suprir suas necessidades nutricionais somente com a alimentação.

A cada dia surge um produto milagroso ou uma substância com propriedades energéticas e melhoradas.
Actualmente existe uma vasta gama de produtos que são usados maioritariamente por adultos e adolescentes que têm objectivos como melhoria da performance atlética, a perda de peso, o aumento de massa muscular, o aumento do tónus ou o aumento da energia.

Se consultarmos a internet encontramos inúmeros sites de venda ao público, diversas marcas, muitos preços, (promoções!) e produtos para todos os gostos, os mais populares parecem ser:

- Proteína (whey) - de soro de leite, animal, vegetal ou de ovo, isolada, hidrolisada ou líquida, em barra ou especial; há sabores para todos e o efeito deste suplemento é ajudar na recuperação do músculo, após exercícios de musculação.

- Creatina – derivado de aminoácidos cujo objectivo é fornecer energia, faz também com que aumente a quantidade de água na célula, aumentando o volume celular. Consequentemente, há uma expansão nas células, resultando, assim, em maior densidade muscular e força física. 

- BCAAs (“Branch Chain Amino Acids”) – aminoácidos em cadeia que têm como função a recuperação de lesões musculares.
Durante os exercícios com pesos, o corpo entra em estado catabólico e se o organismo não tiver os nutrientes necessários para se abastecer durante o treino, ele passa a retirar os aminoácidos presentes nos músculos para suprir a demanda do corpo por energia. O resultado disso é a perda de massa muscular. Os BCAAs também estimulam e elevam a produção de insulina e a sua elevação, propicia uma ótima absorção dos aminoácidos e outros nutrientes, servindo de matéria-prima na construção dos músculos, e permite uma maior entrada de glicose nas células, dando mais energia durante os treinos.

- L-carnitina - a carnitina actua directamente nos tecidos musculares, ajuda a aumentar a resistência, a aliviar a fadiga física e mental, a promover o desenvolvimento da massa muscular, bem como ainda a recuperar de lesões. Os seus efeitos na diminuição de gorduras parecem estar provados, visto que existe um aumento a transformação de gordura e consequente limitação dos ganhos.

– EAAs: Esteróides androgénicos anabólicos (EAA ou AAS - do inglês Anabolic Androgenic Steroids) também conhecidos simplesmente como anabolizantes, são substâncias essencialmente derivadas da testosterona que promovem o crescimento celular e a sua divisão, resultando no desenvolvimento de diversos tipos de tecidos, especialmente o muscular e ósseo. Alguns exemplos são: Durateston, Deca Durabolin, Dianabol, Propionato;

Existem também suplementos específicos pré-treino, pós-treino e suplementos especiais para a mulher.

Dos principais efeitos secundários que surgem associados a esta suplementação destacam-se:

- Whey (proteína): Possíveis problemas de Rim e fígado, colesterol elevado, alergias.

- Creatina: concluiu-se que a diarreia era um dos efeitos secundários mais frequentes, seguido pelas cãibras musculares e inchaço devido à retenção de líquidos.

- BCAA: em excesso pode provocar irritação gastrointestinal.

- L-carnitina: Em doses altas pode causar náusea, dor abdominal, vómito e diarreia. Efeitos colaterais raríssimos como convulsões podem acontecer;

- EAAs: Quando se usa EAAs a produção endógena de testosterona diminui chegando até a desaparecer porque o corpo não tem necessidade de produzir mais, pois durante o uso, os níveis desta hormona estão altos.

Sintomas EAAs
• Acne: As glândulas sebáceas, que segregam óleos na pele, são estimuladas por androgénios.
 Agressividade: os homens geralmente são mais agressivos do que as mulheres por causa da testosterona, e a utilização de esteróides (especialmente os androgénios) pode aumentar as tendências agressivas. Em alguns casos, isto pode ser uma vantagem, ajudando o atleta atingir os pesos mais intensamente e o melhor desempenho numa competição.
 Depressão: O uso de esteróides tem impacto sobre os níveis de hormonas no corpo, o que por sua vez pode resultar numa alteração da disposição geral ou humor. Por um lado podemos ver um comportamento muito agressivo, mas o outro extremo de depressão também existe. Depressão ocorre geralmente em momentos quando os níveis androgénicos/estrogénicos de um indivíduo são significativamente desequilibrados. Isso é mais comum com os fisiculturistas masculinos, às vezes, quando os esteróides anabólicos / androgénicos são interrompidos.
 Perda de cabelo: Os EAAs podem ter um impacto negativo no crescimento do cabelo no couro cabeludo. Na verdade, a forma de padrão masculino mais comum de calvície está directamente ligada ao nível de androgénios em tais tecidos, mais especificamente o forte DHT metabolito de testosterona.

Segundo vários estudos e fazendo uma breve pesquisa pelos fóruns de utilizadores de suplementos na internet, percebemos que os suplementos que parecem trazer mais complicações para a saúde e qualidade de vida dos consumidores são os EAAs, porque estão implicadas hormonas.
Um sintoma que preocupa os utilizadores dos suplementos, especialmente de estrogénios é a perda de líbido.


Segundo a MTC

Olhando para os suplementos desportivos e o sintoma perda de líbido associado, e analisando os órgãos associados à luz da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), conseguimos facilmente explicar o porquê desta ligação.

Quando ingerimos qualquer produto via oral vão ser recrutados determinados órgãos de modo a fazer a digestão e a transformação dos alimentos, são eles o Fígado e Vesicula biliar, o Baço-Pâncreas e o Estômago. 
Produtos naturais são facilmente transformados e são usados, quase na totalidade como energia para as diversas actividades do organismo. O mesmo não acontece com os alimentos processados ou químicos. Estes são compostos por cadeias mais complexas que para serem digeridas pelo nosso organismo vão necessitar de muito mais energia dos órgãos responsáveis. Os químicos não são transformados na totalidade, fazendo com que haja uma parte residual e tóxica fica armazenada no corpo durante o processo de filtragem, no Fígado. Este vai ficando sobrecarregado e começa a desenvolver patologias de excesso como Estagnação de qi ou Calor tóxico.

Segundo a teoria dos 5 elementos, parte da fundamentação da MTC, os órgãos estão todos interligados e estabelecem entre eles uma relação de interdependência através de um ciclo de geração e de controlo.
Desta forma, a partir do momento em que um órgão está desequilibrado começa a afectar os outros órgãos e a gerar patologias mistas – quadros de excesso e quadros de deficiência envolvendo vários sistemas de órgãos.

Analisando a testosterona à luz da MTC, atribui-se a ligação ao Rim. Este é responsável pela essência, que inclui hormonas, como o estrogénio e a testosterona.
A essência promove a função reprodutora e a circulação de fluidos corporais. Isso inclui os órgãos reprodutores masculinos e femininos.

O sistema renal é responsável pelas glândulas supra-renais, hormonas sexuais, vitalidade, o desenvolvimento dos ossos, entre outros.
Em geral, este sistema pode ser mais estimulado causando uma deficiência do Rim Yin ou realmente fraco, a que chamamos, deficiência de Yang do Rim. Na medida em que um nível baixo de testosterona e outros sintomas que estão em causa podem ser a mesma em ambos os casos, mas em que num existe retirada de recursos do corpo em excesso e no outro caso o corpo já está explorado ou há algo mais funcional causando ausência de produção.

Em MTC o Rim relaciona-se com a sexualidade através do MingMen, “armazém” do “Fogo Minesterial”, energia basal que permite a vida. Este órgão está também ligado aos ossos, ao cabelo e ao sentimento do medo, esta abordagem permite-nos compreender os sintomas secundários da medicação aos olhos da Medicina Chinesa.

A libido é a energia sexual de base que impulsiona ao bem-estar e satisfação. Não é só dirigida às necessidades sexuais mas também ao instinto de sobrevivência e à necessidade de nos sentirmos bem connosco próprios e na relação com os outros.

A rotina e o excesso de trabalho/exercício aliados a uma alimentação incorrecta, esgotam a essência do Rim conduzindo à perda de líbido.

O decréscimo da libido pode ser causado por uma combinação de factores, envolvendo os principais órgãos – Rim, Coração, Fígado, Baço - mas aparece muitas vezes combinado com a deficiência do fogo ministerial – expressão do Rim ligada ao desejo sexual e orgasmo.

De um modo geral podemos considerar que quando há um desequilíbrio do Rim, problemas sexuais e reprodutivos podem ocorrer como falta de líbido ou impotência, polução nocturna, ejaculação precoce e espermatorreia.

Na MTC tudo o que esteja relacionado com excesso pode ser nefasto.

Estimulantes, bebidas energéticas e derivados da testosterona vão não só desgastar os órgãos responsáveis pela digestão – F,BP e E - como também vão deixar no corpo algumas toxinas resultantes dos químicos cujo organismo não consegue digerir. A longo prazo, com o uso recorrente de suplementos e o consequente enfraquecimento dos órgãos, estes vão acabar por desgastar os órgãos entre si, afectando o Rim que é a fonte do Yin e Yang do corpo e da nossa energia primordial e sexual, levando a vários sintomas indesejados.

A MTC aconselha uma vida equilibrada em termos alimentares, físicos e emocionais, só assim se consegue garantir uma saúde plena.

Aposte nos alimentos naturais ricos em vitaminas e aminoácidos fáceis de absorver pelo nosso organismo, não tome medicação desnecessária e tenha atenção aos suplementos pois tudo o que é em excesso é perigoso para nós e pode trazer problemas a médio ou longo prazo.


Artigos científicos:
1. Journal of Sports Science and Medicine. MEDICAL ISSUES ASSOCIATED WITH ANABOLIC STEROID USE: ARE THEY EXAGGERATED?(01 June, 2006).PDF
2. MERIGGIOLA, MC; Meriggiola MC, Costantino A, Bremner WJ, Morselli-Labate AM (2002 Sep-Oct). Higher testosterone dose impairs sperm suppression induced by a combined androgen-progestin regimen. J Androl.
3. MATSUMOTO, AM (1990 Jan). Effects of chronic testosterone administration in normal men: safety and efficacy of high dosage testosterone and parallel dose-dependent suppression of luteinizing hormone, follicle-stimulating hormone, and sperm production. J Clin Endocrinol Metab.

Artigo elaborado por Sara Rebelo, baseado nos trabalhos de Ana Claúdia Fachada e Bernardo Mendes para a disciplina de Ginecologia e Andrologia da ESMTC