Interrupção Involuntária da Gravidez

Segundo a Medicina Tradicional Chinesa cada mês da gravidez corresponde ao desenvolvimento de um sistema em particular, com o seu conjunto de especificidades, características, qualidades e também possíveis complicações.
No entanto este processo de nascimento nem sempre chega ao fim com sucesso.


Um fenómeno denominado por Aborto (ou Interrupção Involuntária da Gravidez) consiste na morte do feto/criança (dependendo em que altura da gravidez se encontra) afecta um cada vez maior número de casais (em especial as mães).
Estima-se que entre 10 a 15% da ocorrência deste fenómeno não é detectado nem sequer pela mãe devido ao facto de ser numa altura tão precoce que a mãe não tem percepção do facto de estar grávida, reduzindo portanto o número de casos identificados.

O Aborto Involuntário é dividido em 3 categorias principalmente: Aborto Espontâneo, Ameaça de Aborto e Aborto Recorrente ou Habitual.

O processo pelo qual ocorre nem sempre é evidente e requer uma articulação e cooperação entre Medicinas Convencionais e Medicinas Alternativas tanto para o caso de evitar que o Aborto ocorra, como para a recuperação pós aborto física, emocional e energética.
O objectivo desta exposição é traçar as principais causas de ocorrência e mecanismos de actuação em relação ao Aborto, tanto através da visão Ocidental como através da visão da Medicina Tradicional Chinesa e as suas respectivas ferramentas tanto de análise como de tratamento.


Historicamente, a capacidade de gerar vida é indissociável à Mulher. Esta é a grande característica que lhe é associada e que a define. Desde a antiguidade a mulher tem como papel fundamental gerar e gerir o desenvolvimento da família.

Gravidez, parto e infância eram os três momentos mais perigosos.
Com muito pouca compreensão dos processos biológicos e nenhuma das ferramentas modernas para lidar com potenciais complicações, era natural que as civilizações se virassem para a magia e a religião na obtenção de ajuda.



No Egipto havia as deusas Hathor (ou Isis) Bes e Tawaret, a primeira era a deusa protectora da casa, Bes tinha a forma de uma anã, grotesca e cuja função era de afastar os maus espíritos, e Tawaret tinha a forma de um hipopótamo grávido e protegeria durante o período da gravidez.
No povo grego havia a Aphrodite deusa do amor, beleza e sexualidade, Artemísia protectora da saúde da mulher e fertilidade e também Gaia, mãe e deusa da terra, protectora das mães.
Os Maias tinham Akna deusa do nascimento e maternidade, associada à lua e Ixchel a deusa da gravidez, cura, medicina e artes domésticas em relação à mulher.
Os Católicos embora com apenas um Deus tinham uma santa dedicada apenas à causa do nascimento e prevenção de aborto chamada Santa Catarina da Suécia.

O que se tornou transversal em todas as civilizações e sociedades foi o facto de que a mulher, não tendo capacidade de gerar ou suster vida dentro dela, perdia o seu valor perante a própria sociedade, não tendo qualquer utilidade e sendo inclusive associadas a práticas malignas ou castigadas e punidas por falhas que não haviam cometido, remetendo à justiça dos deuses a sua “falha pessoa” e sendo preteridas por outras mais novas ou mais férteis como consequência.

O desenvolvimento específico relativamente ao aborto surge com o avanço da Medicina, com particular relevância no início dos anos 60 ainda com o tema controverso e debatido em termos éticos e morais da prática do aborto voluntário.
Contornos ainda mais específicos surgem a partir dos anos 80 com o avanço da Imagiologia e intervenção médica.
Definição de Aborto em Medicina Ocidental

Interrupção Involuntária da Gravidez, também conhecida como o Aborto Espontâneo, é a morte natural de um embrião ou feto antes que seja capaz de sobreviver independentemente. O fim acidental de uma gravidez com menos de vinte semanas de gestação


Precoce - Aborto antes de 12 semanas de gestação
Tardio - Aborto entre 12 semanas e 20 semanas de gestação
Espontâneo - Aborto não induzido
Induzido - Término da gravidez através de acto médico
Terapêutico - Término da gravidez devido à Mãe estar em risco de vida ou devido ao feto estar morto ou que possua malformações incompatíveis com a vida.
de Risco - Ocorrência de Hemorragia Vaginal antes de 20 semanas de gestação sem dilatação do cérvix, indicando probabilidade de ocorrência de Aborto Espontâneo
Inevitável - Hemorragia Vaginal ou ruptura da membrana acompanhada por dilatação do Cérvix
Incompleto - Expulsão de alguns produtos de concepção
Completo - Expulsão de todo o produto da concepção
Recorrente ou Habitual - ≥ 3 Abortos espontâneos consecutivos

Assintomático - Morte não detectada de um embrião ou um feto que não é expelido e que não causa sangramento (também chamada de gravidez inembrionada, ou intra-uterina com morte embrionária)
Séptico - Infecção grave do conteúdo uterino durante ou momentos após um aborto

Os factores de risco incluem:

Idade > 35
História de aborto espontâneo
O tabagismo
O uso de certos fármacos (por exemplo, cocaína, álcool, doses elevadas de cafeína)
Um distúrbio crónico mal controlado (por exemplo, diabetes, hipertensão, distúrbios da tireóide evidentes) na mãe
Doenças subclínicas da tireóide, uma retroversão uterina e menor trauma não foram mostrados para causar abortos espontâneos.


Métodos de Rastreio

Os sintomas incluem dor tipo cólica pélvica, hemorragia, eventualmente, a expulsão de tecido. Aborto espontâneo tardio pode começar com um jorro de fluido quando as membranas rompem.
A hemorragia raramente é enorme. Um colo do útero dilatado indica que o aborto é inevitável.
Se os produtos de concepção permanecem no útero após aborto espontâneo, podem ocorrer hemorragias vaginais, por vezes, depois de um atraso de horas a dias. A infecção também pode se desenvolver, causando febre, dor, e por vezes infecção generalizada grave (septicemia).
Alguns abortos precoces são descobertos apenas durante uma ecografia de gravidez de rotina. A ecografia revela um saco gestacional vazio, onde o embrião deveria estar. É denominado de aborto espontâneo perdido ou em silêncio.

Conforme o embrião e a placenta vão se desenvolvendo, mais hCG
vai sendo produzido e lançado na circulação materna. Nas primeiras semanas de gestação, os níveis de hCG dobram a cada 2 ou 3 dias. Se nos primeiros 30 dias de gravidez o ritmo de elevação da gonadotrofina coriónica humana for nitidamente pouco elevado, é possível que haja algo de errado na gestação, como inviabilidade fetal ou gravidez ectópica.
Aborto é suspeitado se o útero não ampliar progressivamente ou se quantitativa β-hCG é baixo para a idade gestacional ou não dobrar dentro de 48 a 72 h. Aborto espontâneo é confirmado se a ultra-sonografia mostra uma das seguintes características:
Desaparecimento de actividade cardíaca embrionária previamente detectado
Ausência de tal actividade quando o comprimento cabeça-nádega fetal é> 5 milímetros (determinado pela ultra-sonografia transvaginal)
Ausência de um pólo fetal (determinado pela ultra-sonografia transvaginal), quando a média SAC diâmetro (média de diâmetro medido em três planos ortogonais) é > 18 milímetros

Etiologia

Causa de perda de gravidez periódica pode ser materna, fetal ou placentária.
Causas maternas comuns incluem.
       Anormalidades uterinas ou cervicais (por exemplo, pólipos, miomas, aderências, insuficiência cervical)
       Anormalidades cromossómicas (por exemplo, translocações equilibradas)
       Defeitos da fase lútea (particularmente a <6 semanas)
       Doenças endócrinas ostensivas e mal controladas (por exemplo, hipotireoidismo, hipertireoidismo, diabetes mellitus)
       Doenças renais crónicas
       Distúrbios trombóticos adquiridos


Causas fetais

       Anormalidades cromossómicas ou genéticas
Anormalidades cromossómicas podem causar 50% de perdas gestacionais recorrentes; perdas devido a anormalidades cromossómicas são mais comuns durante a gravidez precoce. Aneuploidia está envolvida em cerca de 80% de todos os abortos espontâneos que ocorrem a <10 semanas de gestação (mas em <15% das que ocorrem em ≥ 20 sem).
       Malformações anatómicas


Tratamento
       Observação por ameaça de aborto
       Evacuação uterina para inevitáveis, incompletas, ou abortos assintomáticos
       Apoio emocional
 Em caso de ameaça de aborto, o tratamento é observação. Não há qualquer evidência que sugira que o repouso na cama diminui o risco de subsequente aborto completo.
Para abortos inevitáveis, incompletos, ou não atendidos, o tratamento é evacuação uterina ou à espera de passagem espontânea dos produtos da concepção.

Depois de um aborto induzido ou espontâneo, os pais podem sentir dor e culpa.
Pode ser-lhes facultado dado apoio emocional e, no caso de abortos espontâneos, assegurar que as suas acções não foram a causa.
Aconselhamento formal raramente é indicado, mas devem ser disponibilizados.


Medicina Tradicional Chinesa

 - “Sangramento Vaginal” durante a gravidez - chamado Tai Lou
 - “Feto Agitado” - chamado Tai Dong Bu An

Um aborto Real que ocorre nos 3 primeiros meses é chamado Duo Tai, o que significa “Queda do feto”; se ocorrer após 3 meses, é chamado Xiao Chan ou Ban Chan, que significa 'Pequeno de trabalho "e" Metade do trabalho", respectivamente.


Ameaça de aborto

A patologia de ameaça de aborto espontâneo é essencialmente uma fraqueza do Ren Mai e Chong Mai que não conseguem recolher sangue e nutrir o feto.
Uma vez que o Chong Mai é o Mar de Sangue e o Vaso de Concepção influencia o feto, uma fraqueza destes dois Vasos conduz a uma deficiência de Sangue e dos Rins falhando em nutrir o feto.
O Qi Original do feto torna-se fraco, o feto pode não crescer adequadamente ameaçando a ocorrência de Ameaça de Aborto ou Aborto Espontâneo
Em suma: desarmonia do Ren e Chong Mai origina pode ser diferenciada em:
       Deficiência do Rim
       Deficiência de Qi e Sangue
       Calor no Sangue
        
Os principais factores etiológicos são os seguintes:
Excesso de trabalho físico de trabalho, excessiva
Excesso de trabalho, no sentido de trabalhar longas horas sem descanso adequado durante muitos anos enfraquece o Yin do Rim, enquanto o trabalho físico excessivo incluindo musculação, desporto ou exercício geral, debilita o Yang do Rim.
 A deficiência dos Rins pode levar ao enfraquecimento do Ren Mai e Chong Mai, causando numa mulher grávida, a ameaça de aborto.
A doença crónica, Dieta irregular
Doença prolongada, crónica ou uma dieta deficiente em nutrientes pode levar a deficiência de Qi e Sangue.

A deficiência de Qi afecta a força do feto, enquanto Sangue deficiente para nutrir o Qi Original do feto pode resultar em aborto.
Em particular, quando há deficiência de Qi, resulta em hemorragia vaginal.

Problemas emocionais, dieta irregular, doença febril.
Problema emocional como preocupação, raiva, frustração e ressentimento pode levar à estagnação do Qi do Fígado e, após longo tempo, pode-se transformar em Fogo-Fígado; Como o Fígado tem como função armazenamento de Sangue, o Fogo do Fígado poderá gerar Calor no Sangue.

Uma dieta incluindo uma quantidade excessiva de alimentos picantes quentes, tais como especiarias, molhos e álcool também pode tanto originar Fogo do Fígado como Calor no Sangue.
Uma doença febril pode também originar Calor no Sangue se não for travada nos níveis de camada Wei ou Camada Qi.
Seja qual for a origem, calor no sangue afecta o Chong Mai (que é o Mar de Sangue), o Útero e placenta, podendo causar ou ameaçar um Aborto Espontâneo.

Quedas, saltos, traumas.
Uma forte queda, salto ou um trauma pode lesa o Ren Mai e Chong Mai ameaçando ou podendo causar aborto espontâneo numa mulher grávida e de causar ou ameaçar aborto.

Segundo os Fundamentos da Medicina (1575)diz:
"Se uma mulher grávida salta de um lugar alto ou levanta objectos pesados, pode prejudicar Qi Original do feto.”

Actividade Sexual excessiva durante a gravidez
Sexo excessivo ou muito vigoroso durante os 3 primeiros meses de gravidez pode ser uma causa de aborto semelhante ao trauma. Embora relações sexuais durante os três primeiros meses não são proibidas, de acordo com a Medicina Tradicional Chinesa, devem ser menos frequentes e menos vigorosas do que o normal.

Aborto Recorrente
A causa subjacente mais comum é uma Deficiência dos Rins; outros factores podem ser: Deficiência do Baço, Chong e Ren Mai não serem firmes, e afundamento do Qi.
Os factores etiológicos devem ser distinguidos como a partir do feto ou da mãe:
       A partir do feto: poderia ser devido à fraca Qi original que, por sua vez, pode ser devido ao pais serem muito velhos ou doentes, enquanto conceber. Em tais casos, o feto não pode desenvolver normalmente e resultados aborto.
       A partir da mãe: ele poderia ser devido à fraca constituição corporal, constitucionalmente fraco Rins, o excesso de sexo, problemas emocionais, uma doença contraída Quente durante a gravidez, quedas, acidentes, choques emocionais, o consumo de certas drogas ou elevação excessiva.

Assim, as principais patologias (da mãe) são os seguintes:

Deficiência do Rim
Pode ser constitucional ou por excesso de trabalho leva ao Ren Mai e Chong Mai não nutrirem o feto de forma adequada e também o Qi do Rim não segurar o feto.

Deficiência de Sangue
A partir de uma dieta deficiente em nutrição, de modo que o feto não é alimentado adequadamente.

Calor no Sangue
Decorrente de problemas emocionais ou de uma doença Quente que afecta a mãe.

Estase Sanguínea decorrente de problemas emocionais ou cirurgia abdominal.


Nos primeiros 3 meses de gravidez, o aborto manifesta-se com dor abdominal, dor nas costas e hemorragia vaginal que aumenta constantemente com grandes coágulos.
Se o aborto ocorre após os 3 meses, a Hemorragia vaginal é mais profusa e a dor abdominal é grave.


Identificação de Padrões em MTC

Ameaça de Aborto

Qualquer que seja a causa e patologia da Ameaça de Aborto, o principal princípio tratamento será sempre o de "acalmar o feto” e fortalecer o Ren Mai e Chong Mai. “Acalmar o feto” não deve ser interpretado literalmente, pois o movimento do feto é um bom sinal em caso de Ameaça de Aborto.
Assim, acalmando o feto significa usar tratamentos que nutram o Qi Original do feto e fortaleçam os Rins e consolidar o Ren Mai e Chong Mai da mãe.

Aborto Recorrente

Para tratar a causa subjacente de aborto habitual, é melhor que a mulher não tente engravidar durante pelo menos 6 meses, e de preferência por um ano.
Persuadir a mulher deste facto é importante, e às vezes pode ser difícil como as mulheres que foram inférteis durante muitos anos estão, compreensivelmente, ansiosas para tentar conceber o mais rapidamente possível. Outra razão para dissuadir uma mulher de tentar engravidar durante o decurso do tratamento é que algumas decocções de plantas medicinais utilizadas para tratar os padrões subjacentes podem conter ervas que são contra-indicados na gravidez.
É importante ter uma ideia clara em mente do objectivo do tratamento para o caso de Aborto Habitual, tratando a mulher quando ela não está grávida, abordando a condição subjacente que está causando o aborto.

Alterações Emocionais - MTC

Coração (Elemento Fogo)
Alegria – Excesso de Excitação – Mania
Incapacidade da Água do Rim controlar o Fogo do Coração
Após voltar a engravidar há um sentimento de sobrecompensação, colocando expectativas e esperanças muito elevadas
Abordagem: Acalmar a paciente, excesso de Euforia, uma terapia mais “enraizante” acalmando a futura mãe como o feto

Fígado (Elemento Madeira)

Raiva – Ressentimento – Frustração
Incapacidade do Metal do Pulmão controlar a Madeira do Fígado
Frustração e Raiva aquando o Aborto ou Recorrência do Aborto, a mulher toma em si a culpa do fracasso, sente-se incapaz, acha que está a ser castigada por Forças Superiores, ressente-se de Apoio Insuficiente.
Abordagem: Acalmar a Paciente, assistir e ajudar a criar mecanismos para lidar com a frustração e raiva.

Susto – Choque – Terror
Medo confunde e dispersa o Qi
Choque aquando a notícia da morte do Feto causa choque
Terror em caso de queda ou trauma pela criança, em caso de recorrência há terror sempre que surge um sinal ou sintoma diferentes
Abordagem: Acalmar a paciente, terapia de regulação do Qi, movimentos, ginástica distracção e menos sensação de alerta, auxiliar na transição do período de choque para o período de luto envolvendo o elemento Metal

Pulmão (Elemento Metal)

Luto – Tristeza
Incapacidade do Fogo do Coração controlar o Metal do Pulmão
Após a notícia da perda do feto há um período de tristeza e luto, especialmente agravado no caso de ultrapassar os 5 meses em que o procedimento médico é semelhante ao de um parto natural, mas com a inevitável tristeza subsequente.
Abordagem: Assistência no processo de luto, permitir o desabafo e a transição desse mesmo período, apoio na tristeza, envolver o companheiro no processo ou também assistir no possível luto do próprio

Rim (Elemento Água)

Medo
Falha no controlo do Elemento Terra (BP) sobre o Elemento Água (Rim)
O constante medo que a mulher pode sentir receando a perda da criança, ou que possa surgir algo que a coloque em risco a ela ou ao feto.
Abordagem: Acalmar a paciente, estimular pensamentos positivos assistir na relativização de medos infundados e excessivos.

Baço-Pâncreas (Elemento Terra)

Preocupação – Pensamento Excessivo
Falha no controlo do Elemento Madeira (Fígado) sobre o Elemento Madeira (Fígado)
Excesso de pensamento e planeamento em relação à gravidez e gestão da mesma, excessiva projecção de cenários futuristas, subsequentemente dá lugar a preocupação excessiva com qualquer situação.
Abordagem: Acalmar a Paciente, recomendando abordagem dia a dia sem excessivas projecções

Tratamento MTC
Padrões em caso de Ameaça de Aborto

       Deficiência do Rim
       Deficiência de Qi e Sangue
       Calor no Sangue
       Quedas e Traumas

Padrões em caso de Aborto Recorrente

       Deficiência de Yang do Rim
       Deficiência de Yin do Rim
       Calor no Sangue
       Deficiência de Qi do BP
       Deficiência de Sangue
       Estase de Sangue

Conclusão

Medicina Tradicional Chinesa difere bastante na análise e abordagem da Medicina Convencional e por isto Deve sempre haver articulação entre tratamentos de MTC e exames Hospitalares.

Para uma gravidez sem complicações deve haver um equilíbrio Yin/Yang, 5 Elementos, Qi e Sangue que promova um desenvolvimento saudável e sustentável para o feto.
Para esse efeito a MTC dispõe de ferramentas preventivas de diagnóstico que permite acompanhar os vários estágios de desenvolvimento do feto em termos físicos e energéticos, podendo identificar qual o Sistema de Órgão que inviabiliza a gravidez, tratando e equilibrando esse sistema através da sua nutrição em caso de deficiência ou dispersão se for caso de excesso, e regulação através dos outros sistemas.

Baseado no trabalho realizado por Duarte Perdigão para a disciplina de Ginecologia do 5º ano da ESMTC e editado por Joana Prata.