Astenozooespermia

Alteração do sémen caracterizada por uma baixa motilidade dos espermatozoides. Num contexto mais popular é também conhecida por “espermatozoides vagos ou lentos”.




A motilidade espermática consiste nos movimentos dos espermatozoides numa amostra fresca. É medida pela percentagem de espermatozoides que estão em movimento e pela percentagem de espermatozoides com movimento flagelar produtivo em progressão rápida, linear e para a frente.

É a medição individual mais importante da qualidade seminal e pode ser um factor compensador em situações nas quais exista uma baixa contagem espermática.

Existem vários factores que influenciam directamente a motilidade espermática, entre eles, encontram-se a viscosidade, a temperatura e as radiações electromagnéticas (raios-X, luz ultravioleta e a própria luz visível). Após longos períodos de abstinência (superior a 30 dias), verifica-se um aumento significativo de espermatozoides imóveis. A motilidade é um factor necessário para a fertilidade, no entanto, não é suficiente para indicar capacidade de fertilização.

De acordo com os critérios estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde, considera-se que um homem não padece de astenozoospermia, isto é, os seus espermatozoides são normais no que diz respeito à motilidade, quando apresenta valores iguais ou superiores a 40% de espermatozoides móveis (progressivos e não progressivos) e quando os valores de motilidade progressiva são superiores a 32%, ou seja, têm capacidade para se moverem e avançar de acordo com esse movimento. Valores inferiores aos indicados são considerados anormais ou causadores de astenozoospermia.




As causas que levam ao aparecimento desta patologia ainda não são definidas com exactidão. No entanto, sabe-se que a motilidade dos espermatozoides é influenciada pelos seguintes factores:




- Presença de anticorpos antiespermáticos
- Consumo excessivo de álcool ou outras drogas (tabaco, canábis, etc.)
- Idade avançada (sabe-se que após os 45 anos há um decréscimo na motilidade)
- Febre
- Exposição a agentes tóxicos (fertilizantes, solventes químicos)
- Infecções que afectam o sémen
- Alimentação não adequada
- Exposição prolongada ao calor
- Problemas testiculares
- Teratozoospermia (alteração na forma normal dos espermatozoides)
- Tratamentos oncológicos (quimioterapia e radioterapia)
- Varicocele

A astenozooespermia constitui um dos muitos problemas da esterilidade masculina. Sem movimento progressivo, os espermatozoides não serão capazes de chegar ao ovócito e fecundá-lo tornando-se impossível a concepção.
Métodos de Rastreio/Diagnóstico em Medicina Ocidental
O método que se utiliza para analisar o sémen é o espermograma cujo objectivo é avaliar a qualidade do sémen.

A análise do sémen incluí a examinação do espermatozoide e do fluido seminal. A análise macroscópica do sémen tem em conta as seguintes características:

- Liquefacção: Uma amostra normal de sémen liquefacta em 60 minutos à temperatura ambiente, mas normalmente ocorre em 15 minutos.

- Aparência: Uma amostra normal tem uma aparência homogénea acinzentada e opaca. Pode ser menos opaca se a concentração do esperma for muito baixa e vermelho-acastanhada se estiverem presentes células de sangue.

- Volume: A quantidade normal de sémen ejaculado é entre 1.5 e 5ml

- Viscosidade: A viscosidade pode ser avaliada através de uma aspiração suave para o interior de uma pipeta de aspiração de 5ml. O sémen é depois deixado cair através da acção da gravidade. Uma amostra normal deixa a pipeta em pequenas gotas.

- pH: O pH do sémen é ligeiramente alcalino (entre 7.2 e 8.0).

- Concentração do Sémen: Valores normais são derivados de estudos sobre grandes populações que conseguiram estabelecer uma baixa taxa de concepção com relevância estatística, em casos nos quais a concentração de esperma foi inferior a 20 milhões/ml

- Motilidade espermática: A motilidade dos espermatozoides pode ser classificada como:
Classe A: motilidade rápida e progressiva
Classe B: motilidade lenta progressiva
Classe C: motilidade não progressiva
Classe D: ausência de motilidade




Amostras normais de sémen têm percentagens iguais ou superiores a 50% de esperma com motilidade, sendo que a maior parte apresenta motilidade progressiva e para a frente com qualidade boa a excelente até 3 horas após a ejaculação.

- Morfologia do Sémen: Esperma normal tem uma cabeça oval com uma área acrossomal bem definida estando presente em 40 a 70% da zona da cabeça. O segmento médio deve estar anexado axialmente. O flagelo deve ser uniforme, ligeiramente mais fino que o segmento médio, desenrolada e livre de dobras ou torções. A percentagem de formas normais deverá ser superior ou igual a 30%.

- Outros elementos celulares além dos espermatozoides: Uma ejaculação normal não deverá conter mais do que 5 milhões de células redondas por mililitro e o número de leucócitos não deverá exceder o valor de 1 milhão/ml. A população de células redondas inclui espermatídeos, espermatócitos, espermatogónios e células epiteliais exfoliadas.
A Astenozooespermia à Luz da Medicina Tradicional Chinesa

O esperma constituí apenas 1% do volume do sémen. O esperma dinâmico com os seus movimentos rápidos representa o Yang. O Yin é representado pelo fluido seminal no qual o esperma é nutrido. Na abordagem a patologias relacionadas com desordens do esperma é importante que os aspectos Yin e o Yang sejam considerados, ou seja, quer o esperma quer o fluido que o contém.


A Astenozooespermia à Luz da Medicina Tradicional Chinesa

O esperma constituí apenas 1% do volume do sémen. O esperma dinâmico com os seus movimentos rápidos representa o Yang. O Yin é representado pelo fluido seminal no qual o esperma é nutrido. Na abordagem a patologias relacionadas com desordens do esperma é importante que os aspectos Yin e o Yang sejam considerados, ou seja, quer o esperma quer o fluido que o contém. Tipicamente o Yin e Yang são tratados em conjunto sendo dada atenção particular a cada um deles quando necessário.

Da mesma forma como acontece na infertilidade feminina, os Rins estão no centro das desordens relacionadas com a infertilidade. Na Medicina Ocidental (MO) também se reconhece a influência dos Rins nas funções reprodutoras, no entanto só quando os Rins estão demasiado comprometidos é que é fica claro esta relação (Lyttleton, 2004).



À luz da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) o requisito básico para que exista um potencial de reprodução é a existência de um Jing do Rim forte e um equilíbrio entre o Yin e Yang do Rim. A maior parte dos casos de infertilidade masculina são diagnosticados como Deficiências de Yin ou Yang do Rim. Aparentemente existe uma base genética para a infertilidade masculina em aproximadamente 60% dos casos (Lyttleton, 2004). Este facto permite alertar para a existência de uma debilidade do Jing dos Rins na maior parte dos casos de infertilidade no homem e também para a necessidade de se incluir a nutrição do Jing nos princípios de tratamento.

Além destas deficiências, ter-se-á que considerar também as situações onde existe um bloqueio mecânico ou uma condição de Humidade-Calor.

Em MTC a infertilidade masculina tem o nome de Bu Yu Jue Yu , Wu Zi significa “sem criança” e Nan Zi Nan Ci  é traduzido para “dificuldade masculina em produzir herdeiro” (Deadman, 2008).

Parece haver uma congruência no que diz respeito às síndromes inerentes à infertilidade no esperma, vários autores consideram as seguintes como sendo as principais (Lyttleton, 2004), (Xiangyi, 1997), (Clavey, 2003):




Deficiência de Yin do Rim
Deficiência de Yang do Rim
Humidade-Calor
Estagnação de Qi e Sangue







A Humidade Calor e Estagnação de Qi e Sangue referem-se a condições clínicas particulares de complicações de Deficiências do Rim.

A motilidade do esperma é, à luz da MTC uma característica que se enquadra claramente no Universo das manifestações Yang. Poderia pensar-se que apenas a debilidade do Yang seria responsável por este tipo de quadro, no entanto, e da mesma forma que acontece na infertilidade masculina (geral), aqui também existem as 4 síndromes abordadas no capítulo anterior. Assim a motilidade espermática poderá estar comprometida por uma Deficiência de Yin, Yang, Humidade-Calor no meridiano do Fígado e Estagnação de Qi e Sangue.


Análise Emocional em MTC

Segundo a MTC, o Rim é o órgão mais importante nos processos de reprodução e é o órgão que mais sofre na presença de emoções como o Medo.

Quando um casal pensa em engravidar, é expectável que nesse processo exista espaço para a presença de emoções como o Medo. Há medida que o tempo passa e a gravidez não surge, a sensação de incapacidade e o medo de não se conseguir ter um filho aumenta cada vez mais e também o Rim fica progressivamente mais desgastado. O Medo provoca contracção e recolhimento e impede o movimento de uma forma geral. Se o nosso corpo reage desta forma ao Medo, fará sentido pensar que os Líquidos Orgânicos também irão reflectir essas transformações. Estas condições manifestam-se de igual forma nos espermatozoides que perdem a sua motilidade tornando-se lentos. Em casos de astenozoospermia torna-se então fundamental a averiguação de quadros emocionais nos quais o Medo está envolvido de forma marcante.


Artigo adaptado por Sara Finote a partir de Infertilidade Masculina – Astenozooespermia, trabalho realizado por Ricardo Vilhena no âmbito da disciplina de Ginecologia, 2014-15, ESMTC