O mito do pensinho diário

O penso diário faz parte do cotidiano de muitas das mulheres. O uso massivo do penso tornou-se mais frequente em anos mais recente auxiliado em grande parte pela industria que tenta convencer a mulher que este é mais um dos bens de consumo imprescindível no seu dia a dia.


Um dos primeiros registros dos absorventes aparece nos manuscritos do grego Hipócrates, que viveu entre 460 e 370 a.C. O primeiro desses produtos, uma espécie de ligadura que as mulheres colocavam sobre a cueca, apareceu nas lojas em 1890. Em Portugal o pensinho diário apareceu no mercado à cerca de 30 anos.  Segundo os fabricantes, ele foi desenhado para absorver humidade da vagina, e impedir o odor vaginal. A mulher, desta forma, sente –se mais limpa e protegida.
O problema é que o penso causa os mesmos problemas que diz solucionar.


O penso diário é feito de derivados do petróleo. A parte central do penso é feita de uma polpa de madeira branqueada com Cloro. Esta parte pode ser reduzida em tamanho, com a adição gel de polyacrílico que absorve o líquido rapidamente e prende-o sob pressão. Os materiais restantes são, na sua maioria, provenientes da indústria petrolífera. O material utilizado na é polipropileno e não tecido .


Afim de manter a cueca seca, o penso contém uma barreira à prova de fugas feitas de filme de polietileno. Esta camada de plástico faz com que a zona vaginal aqueça e não respire convenientemente. O penso diário abafa a região íntima e torna o ambiente mais húmido, favorecendo  desta forma a proliferação de fungos e bactérias e, consequentemente,  piora os corrimentos e o odor.
Ao usar um protetor diário para mascarar esses sintomas, a mulher acaba piorando a situação. O penso diário só deveria ser utilizado no início e final da menstruação.


A vagina da mulher é húmida por natureza. O nível de humidade pode variar de mulher para mulher e ao longo da vida. Esta humidade pode fazer com que a mulher se sinta desconfortável e  por isso querer usar penso diário.


Outra das razões pela qual a mulher usa penso diário é a proteção do odor vaginal. Os odores são formados por uma mistura de substâncias que são produzidas na região genital, como suor, sebo e secreções vaginais. Essa combinação favorece uma colonização de bactérias e outros micro-organismos, que servem para proteger a região e, por sua vez, também produzem odores.
Algumas versões do penso diário possuem perfume e artifícios para amenizar cheiros característicos. A promessa das marcas costuma ser a de garantir aquela sensação de frescura pós-banho durante dia inteiro. Contudo o perfume de alguns protetores diários pode causar alergia e reações na pele.


Medicina Tradicional Chinesa


De acordo com a Medicina Chinesa corrimento vaginal indica humidade no aquecedor inferior.


As causas possíveis


Dieta:
Consumo excessivo de produtos lácteos, gordura  e açúcar estão diretamente ligados à formação de Humidade.
Esta rapidamente se aglomera em volta da genitália provocando corrimento.
Comer incorretamente também contribui para a formação de humidade .


Problemas emocionais:
Preocupações, raiva e frustração causam estagnação de Chi do Fígado.
A estagnação de Chi do Fígado pode combinar-se com humidade e concentrar-se  no  meridiano do fígado em redor da genitália causando corrimento.




Trabalho excessivo:
Trabalhar longas horas sem descanso durante muitos anos, enfraquece o Figado, o yin do Rin e causa Deficiência de Sangue, levando ao enfraquecimento de outros meridianos que perdem a capacidade de conter os fluidos causando corrimento.


Trabalho físico excessivo:
Excesso de  trabalho físico, muitas horas de ginásio  ou desporto enfraquecem a energia do Baço perturbando  a transformação e transporte de fluidos. A humidade acumula-se na região genital causando corrimento.
Invasão de humidade exterior:
Humidade  exterior pode invadir os meridianos das pernas, subir e alojar-se nos genitais. As mulheres são especialmente suscetiveis  à invasão da humidade externa após o nascimento e durante o período menstrual.



Há no entanto alternativas mais económicas e saudáveis ao uso pensinho diário.


Para quem usa o pensinho para corrimento vaginal em excesso:


  • Existem pensinhos feitos de tecido e reutilizáveis - este tipo de absorventes tem a vantagem de ser melhor para o ambiente e para quem o usa por ser feito de produtos naturais e deixar a vagina respirar. O absorvente pode ser lavado e reutilizado quantas vezes forem necessárias.


  • Mudar de cueca durante o dia – evita o uso do absorvente.


  • Preferir roupa interior de fibras naturais como o algodão


Para quem usa o penso para evitar os odores vaginais:


  • Lavar a  vagina 3 vezes por dia em vez de duas ou uma. Lavar o espaço entre os dois lábios (grande e pequeno). Desta forma as bactérias são destruídas e com elas, o cheiro. Prefira para isoo sabonetes naturais  à base de glicerina ou azeite e evite os líquidos de lavagem intima dos supermercados pois secam as mucosas


  • Manter  os pelos  da vagina curtos . Em especial se se tem excesso de peso ou se anatomicamente as pernas se juntam muito na zona próximo da vagina.


  • Inclua ananás na sua dieta


  • Faça algums banhos de vapor vaginal usando ervas como :

Alecrim
Aumenta a circulação nos órgãos reprodutivos e é anti-séptico e purificante.

Lavanda
É relaxante, acalma a mente e o corpo e nutre  o sistema nervoso. É anti-séptico, anti-espasmódico e auxilia na função uterina saudável.

Orégão
É usada pelas suas qualidades anti-sépticas, estimulantes e fortalecedoras. O orégão é uma erva maravilhosa para ajudar na prevenção da infecção.

Cravo Túnico
Tagetes erecta é utilizada para induzir a transpiração e a limpeza dos tecidos vaginais.


Calêndula
A Calendula officinalis auxilia na cicatrização dos tecidos dos lábios e do períneo quando submetidos a episiotomia.

Pétalas de rosa
Têm uma acção  adstringentes e relaxante para a vagina.


Nota: Não utilizar vapor  em feridas  abertas,  poderia causar dor e inchaço.


Outras ervas que podem ser usadas em conjunto com as acima indicadas incluem: Malvas, Eucalipto, Erva de São João, Trevo vermelho, Camomila, Dente-de-Leão. Na medicina tradicional chinesa, as ervas mais usadas são a Artemísia e a Absinto.


Artigo escrito por Paula Madeira