Disfunção Eréctil




A Disfunção Eréctil (DE) consiste na incapacidade persistente que o homem tem em não conseguir manter e alcançar uma erecção que permita a realização e manutenção de um acto sexual.



As principais DE’s são caracterizadas por:
- Ausência de erecção/ rigidez peniana
- Erecção parcial
- Erecção fugaz e rápida
- Erecção dismórfica, por alterações congénitas ou adquiridas dos corpos cavernosos.

As causas são multifactoriais mas resultam de uma combinação de factores físicos e psicológicos.







As causas físicas da DE:

- Doenças do foro neurológico
- Doenças vasculares
- Alterações endócrinas
- Efeitos iatrogénicos (ex: cirurgia à próstata)
- Efeitos secundários a medicamentos

Causas do foro psicológico:

- Stress
- Alterações/distúrbios emocionais.





Medicina Tradicional Chinesa

A definição de DE utilizada em MTC segue a Medicina Alopática. E diferencia-se nas síndromes Deficiência do Rim e Acumulação de Humidade-Calor (HMC) que provocam um relaxamento do pénis.



Abordagens Terapêuticas

Hoje em dia existe um grande número de técnicas na abordagem à DE.


Pela Medicina Ocidental:

-Viagra®: é um medicamento e portanto deve ser prescrito/receitado por um médico. Tal como qualquer fármaco, apresenta contra-indicações e efeitos secundários e a sua toma deve ser mantida sob vigilância médica.






-Sistema MUSE®: Age através da administração de produtos erectógenos no interior do pénis, via uretra. Este sistema é aplicado através de um aplicador descartável. Este sistema permite que o medicamento se dissemine em direcção aos corpos esponjosos e depois aos corpos cavernosos através do sistema circulatório.




-Bomba de vácuo: é um sistema mecânico que provoca um efeito vasodilatador. Este afluxo de sangue local deve-se a uma diminuição da pressão que é criada por uma bomba de vácuo. O pénis é colocado no interior de um cilindro transparente que, por sua vez, está ligado a uma bomba de vácuo (manual ou eléctrica).



-Auto-injecção: esta técnica envolve a injecção de susbtâncias erectógenas no pénis imediatamente antes do acto sexual. O procedimento é efectuado pelo paciente que é ensinado a auto-injectar-se.

-Cirurgia: esta abordagem, regra geral, só é recomendada quando outros tratamentos médicos se revelaram ineficazes. O procedimento cirúrgico mais comum é a colocação de uma prótese/implante e o segundo consiste na revascularização arterial local.




Tratamento de acordo com a Medicina Tradicional Chinesa

O tratamento das condições de excesso engloba: acalmar o F, clarificar Calor, eliminar a HM, e resolver a Estase.
Nas condições de vazio, os princípios de tratamento são: aquecer e fortalecer o Yang do R, nutrir a Essência e regular Qi e Sg.

A Auriculoterapia pode revelar-se um bom complemento às principais técnicas até porque estimula a participação do paciente no seu processo de tratamento.



Outras Técnicas

Podem e devem ser integradas algumas técnicas para potenciar o efeito da abordagem em MTC. Um dos exemplos é o caso de exercícios específicos para a zona pélvica e genital:

Exercícios de Kegel
Órbita Microcósmica
Massagem Testicular
Alterações no estilo de vida




Artigo realizado por João Pedro Soarescom base no trabalho da disciplina 'Ginecologia e Andrologia' da ESMTC de Mafalda Carôco.